Espiritualidade A Bíblia no meu Dia a Dia

A Bíblia no meu dia a dia - Mateus 27,1-26 - 06/03/2017

Faça o estudo da Palavra de Mateus 27,1-26

Segunda-feira, 6, foi refletida no programa ‘A Bíblia no meu dia a dia’ a Palavra de Mateus 27,1-26 por Nelsinho Corrêa.

Confira o vídeo abaixo:

Adquira o programa!

Você pode ter acesso ao conteúdo completo da TV Canção Nova. Acesse cancaonova.com/play!

Ajuda a Canção Nova na missão de evangelizar e transmitir a Boa Nova aos lares de pessoas do mundo inteiro! Seja um sócio evangelizador e ingresse nessa missão também!

Faça a reflexão da Palavra de Mateus 27,1-26:

1.Chegando a manhã, todos os príncipes dos sacerdotes e os anciãos do povo reuniram-se em conselho para entregar Jesus à morte.

2.Ligaram-no e o levaram ao governador Pilatos.

3.Judas, o traidor, vendo-o então condenado, tomado de remorsos, foi devolver aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos as trinta moedas de prata,

4.dizendo-lhes: Pequei, entregando o sangue de um justo. Responderam-lhe: Que nos importa? Isto é lá contigo!

5.Ele jogou então no templo as moedas de prata, saiu e foi enforcar-se.

6.Os príncipes dos sacerdotes tomaram o dinheiro e disseram: Não é permitido lançá-lo no tesouro sagrado, porque se trata de preço de sangue.

7.Depois de haverem deliberado, compraram com aquela soma o campo do Oleiro, para que ali se fizesse um cemitério de estrangeiros.

8.Esta é a razão por que aquele terreno é chamado, ainda hoje, Campo de Sangue.

9.Assim se cumpriu a profecia do profeta Jeremias: Eles receberam trinta moedas de prata, preço daquele cujo valor foi estimado pelos filhos de Israel;

10.e deram-no pelo campo do Oleiro, como o Senhor me havia prescrito.

11.Jesus compareceu diante do governador, que o interrogou: És o rei dos judeus? Sim, respondeu-lhe Jesus.

12.Ele, porém, nada respondia às acusações dos príncipes dos sacerdotes e dos anciãos.

13.Perguntou-lhe Pilatos: Não ouves todos os testemunhos que levantam contra ti?

14.Mas, para grande admiração do governador, não quis responder a nenhuma acusação.

15.Era costume que o governador soltasse um preso a pedido do povo em cada festa de Páscoa.

16.Ora, havia naquela ocasião um prisioneiro famoso, chamado Barrabás.

17.Pilatos dirigiu-se ao povo reunido: Qual quereis que eu vos solte: Barrabás ou Jesus, que se chama Cristo?

18.(Ele sabia que tinham entregue Jesus por inveja.)

19.Enquanto estava sentado no tribunal, sua mulher lhe mandou dizer: Nada faças a esse justo. Fui hoje atormentada por um sonho que lhe diz respeito.

20.Mas os príncipes dos sacerdotes e os anciãos persuadiram o povo que pedisse a libertação de Barrabás e fizesse morrer Jesus.

21.O governador tomou então a palavra: Qual dos dois quereis que eu vos solte? Responderam: Barrabás!

22.Pilatos perguntou: Que farei então de Jesus, que é chamado o Cristo? Todos responderam: Seja crucificado!

23.O governador tornou a perguntar: Mas que mal fez ele? E gritavam ainda mais forte: Seja crucificado!

24.Pilatos viu que nada adiantava, mas que, ao contrário, o tumulto crescia. Fez com que lhe trouxessem água, lavou as mãos diante do povo e disse: Sou inocente do sangue deste homem. Isto é lá convosco!

25.E todo o povo respondeu: Caia sobre nós o seu sangue e sobre nossos filhos!

26.Libertou então Barrabás, mandou açoitar Jesus e lho entregou para ser crucificado.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

comentários

↑ topo