Editorial

Editorial

TV Canção Nova reforça valores cristãos em  editorial

TV Canção Nova

TV Canção Nova/ Foto: Wesley Almeida – Arquivo CN

O Sistema Canção Nova de Comunicação nasceu de um carisma da Igreja. A Canção Nova, reconhecida de modo definitivo pela Santa Sé como Associação Internacional Privada de Fiéis, teve início em 2 de fevereiro de 1978. Após um vasto e contínuo trabalho de evangelização com os jovens, padre Jonas Abib, hoje monsenhor, em conversa com o Bispo Diocesano de Lorena na época, Dom Afonso de Miranda, recebe a missão de fazer algo para responder ao apelo do Papa, descrito no artigo 45 da Exortação Apostólica Evangelii Nuntiandi: “A Igreja viria a sentir-se culpável diante do seu Senhor, se ela não lançasse mão destes meios potentes que a inteligência humana torna cada dia mais aperfeiçoados. É servindo-se deles que ela “proclama sobre os telhados a mensagem de que é depositária”. Surge aí a inspiração do Sistema Canção Nova de Comunicação.

Em 8 de dezembro de 1989, a TV Canção Nova realizou sua primeira transmissão: a Santa Missa. No mesmo ano em que a Igreja no Brasil convidava os fiéis, por intermédio da Campanha da Fraternidade, a refletir sobre a utilização dos meios de comunicação para a verdade e a paz. Monsenhor Jonas Abib, que já havia 9 anos evangelizava por intermédio da Rádio Canção Nova, sentiu-se impelido a dar mais um passo na fé: iniciar a produção de programas de TV – com poucos recursos, junto a jovens com pouca ou nenhuma experiência na área – para evangelizar e tornar Jesus conhecido e amado.

No início a TV Canção Nova transmitia a programação da TVE do Rio de Janeiro, e era sintonizada apenas em algumas cidades do Vale do Paraíba e da região sul fluminense, e com uma forte ênfase em programas de espiritualidade, juventude e música. Com a graça de Deus e a união de pessoas de boa vontade, a emissora expandiu-se, possuindo hoje uma grade com 24 horas por dia de programação que pode ser assistida em todo o mundo.

A TV Canção Nova surgiu como resposta de Deus para os nossos tempos. Nasceu com o objetivo de formar homens novos para um mundo novo: “Renová-los, transformá-los, fazê-los novos, fazê-los chegar “à santidade original”. Existe para construir um “mundo novo”: novas estruturas, novo modo de vida1”.

A TVCN é, portanto, um dos areópagos da evangelização contemporânea. Sem fins lucrativos, a emissora conquista liberdade de expressão rara nos meios de comunicação de hoje. E é usufruindo desta liberdade editorial que a emissora afirma sua identidade principal: a evangelização.

Esta evangelização tem como meta formar homens novos para um mundo novo ao ajudar a Igreja a construir a identidade cristã pela mídia, devolvendo a dignidade dos filhos de Deus. Essa dignidade nasce da certeza de que somos a imagem e semelhança do Pai Criador. O conteúdo que norteia toda a programação da TVCN é único e imutável: Jesus Cristo. E esta Boa Nova deve ser levada de maneira a honrar a nossa origem carismática: “ou somos carismáticos ou falimos no ponto de partida da nossa missão”2 e mariana: “Nós nos chamamos Canção Nova, a Casa de Maria (…). Nós somos da raça de Maria, somos da sua estirpe, descendentes da sua família, somos a sua linhagem, pertencemos à sua casa”3.

Contando com a graça do Espírito Santo, a TV Canção Nova quer permanecer fiel à inspiração inicial, propondo ao telespectador um encontro pessoal com Jesus, apresentando a vida e o mundo novo de Jesus Cristo, que reconstrói o homem à Sua imagem: “de modo a preparar e apressar a vinda gloriosa do Senhor”4. Como nos impele o Documento de Aparecida: “Por isso, nós, como discípulos e missionários de Jesus, queremos e devemos proclamar o Evangelho, que é o próprio Cristo. Anunciamos a nossos povos que Deus nos ama, que sua existência não é uma ameaça para o homem, que Ele está perto com o poder salvador e libertador de seu Reino, que Ele nos acompanha na tribulação, que alenta incessantemente nossa esperança em meio a todas as provas. Os cristãos são portadores de boas novas para a humanidade, não profetas de desventuras”5.

Assumindo sua identidade evangelizadora, a TVCN acredita que o espaço da mídia não pode ser banalizado, desrespeitado, ou até mesmo subestimado, mas elevado a um patamar que mereça ser cuidadosamente administrado. Sendo assim, afirma que a mídia é lugar de missão.

A missão deste canal católico é anunciar a verdade dialogando com o homem da atualidade, promovendo o diálogo e a cultura do encontro a serviço da verdade e do bem: “Devem esses meios servir a verdade (…). Servir a verdade significa não só apartar-se da falsidade e do engano, mas evitar também aquelas atitudes tendenciosas e parciais que poderiam favorecer no público conceitos errôneos da vida e do comportamento humano”.6

O público-alvo será atingido pela força da Palavra, anúncio potencializado pela técnica e pelo profissionalismo.

O papel do comunicador na Canção Nova
Para realizar missão tão nobre e desafiadora, os comunicadores devem anunciar uma Nova Evangelização, que mantém o conteúdo imutável a respeito de Jesus Cristo e, ao mesmo tempo, se deixa renovar pela ação do Espírito, que atualiza a forma como a Boa Nova é anunciada. Portanto, a TV Canção Nova utiliza da unção, criatividade e coragem, virtudes necessárias para a eficácia da missão e não se deixa envelhecer em sua ação evangelizadora.

Para cumprir a missão de formar a identidade cristã pela mídia, é de suma importância que os comunicadores tenham comprometimento com a evangelização e assumam a Canção Nova como “escola de formação”. Outro ponto essencial é que o comunicador na Canção Nova deve ser vocacionado a essa missão. Ser chamado por Deus para atuar na mídia é ponto de partida para que a missão evangelizadora seja eficaz. E uma vez chamados, são impelidos a viver de forma coerente com o conteúdo que comunicam para que sua atuação nos meios de comunicação não seja uma ficção.

O comunicador precisa ter consciência de que a TV Canção Nova conquistou a confiança de muitos telespectadores nesses 25 anos de trajetória. Portanto, podemos dizer que a emissora faz parte da vida de milhares de brasileiros e estrangeiros. Por isso, a partir do momento em que assume um papel de protagonista desse meio, o comunicador cristão precisa ser também canal de salvação para o público. Junto com suas palavras também se manifestam seu compromisso de vida, suas convicções básicas, sua alegria enraizada na fé, seu zelo e seu ardor apostólico. “Os programas religiosos, adaptados à Rádio e Televisão, criam novas relações entre os cristãos, e um enriquecimento da vida religiosa. Contribuem para a educação cristã e para o empenho da Igreja no mundo. São úteis para doentes e pessoas idosas, que não podem participar diretamente na vida litúrgica. Estabelecem um elo com todos os homens que, separados oficialmente da Igreja, buscam, contudo, alimento espiritual”. 7

O comunicador deve ter cuidado para não impor uma inspiração pessoal, mas centrar-se no objetivo principal, que é promover o encontro do telespectador com Deus.

O que e como comunicar?
O cerne da fé cristã é a Páscoa de Cristo. Portanto, a essência do conteúdo anunciado pela TV Canção Nova é a ressurreição de Jesus e Sua salvação, de modo a contagiar o telespectador na fé e na vivência de um novo relacionamento com Deus. Por isso, o fundamento da programação da TV Canção Nova são os programas e/ou transmissões que promovam esse encontro.

O “como” comunicar quer se manter fiel às origens que nos apontam a identidade carismática, caracterizada pela oração e musicalidade. Porém, a evangelização se dá em vários níveis, podemos classificar como: pré-evangelização, evangelização básica e evangelização integral. Entende-se por pré-evangelização toda e qualquer formação ou informação que construam uma sociedade melhor, de bons cristãos e honestos cidadãos. Neste nível se caracterizam os conteúdos de cunho mais intelectual, informativo e pastoral.

Já por evangelização básica entende-se o anúncio do Amor de Deus, isto é, o querigma de fato. Nesse nível caracterizam-se os conteúdos que promovam o encontro pessoal com Cristo, como a transmissão de acampamentos de oração, homilias e programas voltados ao louvor e à oração. É nesse tipo de evangelização que se encontra o fundamento da TV Canção Nova. E, por fim, a evangelização integral, que é a manutenção da fé cristã àqueles que já tiveram seu encontro pessoal com o Cristo. Inclui-se nesta categoria programas voltados à formação cristã, como os conteúdos de ensino do magistério da Igreja.

Linguagem
A linguagem da Nova Evangelização é direta, coloquial e, sobretudo, direcionada às multidões como se estas fossem para uma pessoa apenas. É necessário que esta comunicação atinja o homem da atualidade, que tem a seu dispor uma variedade infinita de estímulos visuais, auditivos e sensoriais, mas que, ainda assim, sente-se só. É por isso que a emissora fundada pelo monsenhor Jonas Abib quer oferecer companhia a partir do anúncio da Boa nova, que serve de luz para os passos do homem. No entanto, para que isso aconteça, é necessário que o telespectador faça a experiência com Aquele que é anunciado: Jesus Cristo.

O comunicador deve falar com linguagem universal, evitando todo e qualquer particularismo que poderia evidenciar algum tipo de exclusão. Por isso, a TVCN quer seguir os passos da Igreja, que é como uma mãe que acolhe todos os filhos da mesma forma. Assim, cumpre-se a profecia que afirma: “[…] O Senhor quer que a Canção Nova (…) seja a ‘casa da misericórdia’ para todos os necessitados’. Por isso, podemos dizer: ‘A TV Canção Nova é casa de misericórdia’”.

Considerações finais
A TV Canção Nova tem como objetivo fundamental a Evangelização. É de sua natureza o anúncio carismático da Boa Nova de Jesus Cristo a todos os povos. Sem desconsiderar a importância do profissionalismo exigido para bem executar os trabalhos de comunicação, a TV Canção Nova tem como prioridade a unção.

É Jesus Cristo o conteúdo imutável e é a todos os povos que se quer falar. Reconhecendo as limitações financeiras, a TVCN considera a eficácia da sua missão a afirmação da sua origem. Portanto, este editorial quer reafirmar os valores intrínsecos da TV Canção Nova: formar homens novos para um mundo novo por intermédio deste lugar de missão que são os meios de comunicação.

O comunicador, portanto, assume papel essencial nesta missão, e como vaso comunicante precisa se deixar moldar pelo próprio conteúdo que anuncia, gerando uma sociedade nova para um mundo novo.

Referências
1Nossos documentos Vol I, pag. 52
2 Nossos documentos Vol II, pag. 50
3 Nossos documentos Vol I, pag. 69
4 Estatuto Canônico Comunidade Canção Nova
5 Documento de Aparecida, cap 1, art.29
6 Carta Encíclica “Miranda Prorsus” do Papa Pio XII sobre a cinematografia, a rádio e televisão.
7 “Communio Et Progressio”, sobre os meios de comunicação social publicado sob o mandato do concílio ecumênico II do Vaticano.
8 Nossos documentos Vol II, pag. 71
[i] Entenda-se comunicadores como apresentadores, diretores, produtores, cinegrafistas, enfim, todos que atuam diretamente ou indiretamente nos Meios de Comunicação Canção Nova.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

comentários

↑ topo