Espiritualidade A Bíblia no meu Dia a Dia

A Bíblia no meu dia a dia - Lucas 23,1-25 - 06/10/2016

Faça o estudo da Palavra de Lucas 23,1-25

Nesta quinta-feira, 06 de outubro, a missionária Vera Lúcia Reis, refletiu a Palavra de Lucas 23, 1-25 no programa ‘A Bíblia no meu dia a dia’.

Confira o vídeo abaixo:

Adquira o programa!
Você pode ter acesso ao conteúdo completo da TV Canção Nova. Acesse cancaonova.com/play!

Ajuda a Canção Nova na missão de evangelizar e transmitir a Boa Nova aos lares de pessoas do mundo inteiro! Seja um sócio evangelizador e ingresse nessa missão também!

Faça a reflexão da Palavra de Lucas 23,1-25

1.Levantou-se a sessão e conduziram Jesus diante de Pilatos,

2.e puseram-se a acusá-lo: Temos encontrado este homem excitando o povo à revolta, proibindo pagar imposto ao imperador e dizendo-se Messias e rei.

3.Pilatos perguntou-lhe: És tu o rei dos judeus? Jesus respondeu: Sim.

4.Declarou Pilatos aos príncipes dos sacerdotes e ao povo: Eu não acho neste homem culpa alguma.

5.Mas eles insistiam fortemente: Ele revoluciona o povo ensinando por toda a Judéia, a começar da Galiléia até aqui.

6.A estas palavras, Pilatos perguntou se ele era galileu.

7.E, quando soube que era da jurisdição de Herodes, enviou-o a Herodes, pois justamente naqueles dias se achava em Jerusalém.

8.Herodes alegrou-se muito em ver Jesus, pois de longo tempo desejava vê-lo, por ter ouvido falar dele muitas coisas, e esperava presenciar algum milagre operado por ele.

9.Dirigiu-lhe muitas perguntas, mas Jesus nada respondeu.

10.Ali estavam os príncipes dos sacerdotes e os escribas, acusando-o com violência.

11.Herodes, com a sua guarda, tratou-o com desprezo, escarneceu dele, mandou revesti-lo de uma túnica branca e reenviou-o a Pilatos.

12.Naquele mesmo dia, Pilatos e Herodes fizeram as pazes, pois antes eram inimigos um do outro.

13.Pilatos convocou então os príncipes dos sacerdotes, os magistrados e o povo, e disse-lhes:

14.Apresentastes-me este homem como agitador do povo, mas, interrogando-o eu diante de vós, não o achei culpado de nenhum dos crimes de que o acusais.

15.Nem tampouco Herodes, pois no-lo devolveu. Portanto, ele nada fez que mereça a morte.

16.Por isso, soltá-lo-ei depois de o castigar.

17.[Acontecia que em cada festa ele era obrigado a soltar-lhes um preso.]

18.Todo o povo gritou a uma voz: À morte com este, e solta-nos Barrabás.

19.(Este homem fora lançado ao cárcere devido a uma revolta levantada na cidade, por causa de um homicídio.)

20.Pilatos, porém, querendo soltar Jesus, falou-lhes de novo,

21.mas eles vociferavam: Crucifica-o! Crucifica-o!

22.Pela terceira vez, Pilatos ainda interveio: Mas que mal fez ele, então? Não achei nele nada que mereça a morte; irei, portanto, castigá-lo e, depois, o soltarei.

23.Mas eles instavam, reclamando em altas vozes que fosse crucificado, e os seus clamores recrudesciam.

24.Pilatos pronunciou então a sentença que lhes satisfazia o desejo.

25.Soltou-lhes aquele que eles reclamavam e que havia sido lançado ao cárcere por causa do homicídio e da revolta, e entregou Jesus à vontade deles.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

comentários

↑ topo